Amsterdam e Keukenhof – Holanda

Chegamos em Amsterdam no meio da tarde, deixamos as malas no hostel e fomos almoçar. A primeira imagem que tive da cidade foi o vagão do metrô super doido que era cheio de pinturas de plantas por dentro. E precisa passar o ticket para abrir a catraca na hora de entrar e de sair (achei engraçado a mudança de confiança, já que nas outras cidades que fomos era só estampar o ticket, mas não tinha muito controle). Ficamos no Stadsdoelen da rede Stayokay que uma amiga me indicou. Adoramos o lugar! Ele fica perto do Waag, um “castelinho” que funciona como café restaurante. Dessa vez ficamos em dormitório, mas escolhemos um quarto só de meninas que tinha 4 beliches. O banheiro também era ótimo, com um espacinho separado para deixar as roupas na parte do box, além do café da manhã incluso que era uma delícia. Outra coisa legal é que da pra entrar na recepção do hostel pelo google maps!

2

1

A única parte ruim foi que nos botaram no quarto do último andar, mas foi bom pra queimar nossas gordurinhas!

IMG_6133 IMG_6134 IMG_6136IMG_6135

Saímos para almoçar e foi aí que caiu a ficha de como Amsterdam é caro. Pagamos uns 8 euros numa sopa de tomate que era mais água com gostinho que outra coisa. Mas como já tínhamos descoberto os encantos do kebab nos preparamos para essa economia. E ainda descobrimos um wok to go do Suriname, que não é nada mais nada menos que um yakisoba. Era super baratinho e vinha muuuita comida! Outra opção baratinha são os famosos lanchinhos prontos que ficam nas maquininhas, mas esse acabamos não comendo.

Caminhando por aí depois do almoço demos de cara com o Red Light District, que literalmente cheira a maconha. Apesar dos turistões babões, o clima lá é super de boa, com famílias caminhando entre sex shops, museus do sexo e de drogas, além de excursões de velhinhos. Nada barra pesada! A aparência é de uma rua de Amsterdam como outra qualquer, só que com mulheres nas vitrines (que ficam nas ruas mais laterais e menores) e essas lojas diferentes.

Só fiquei bolada com uma casa de show que soltava esguichos de água na rua, porque tava um frio da porra e o negócio me molhou. MUITO VACILO.

Na manhã seguinte resolvemos ir para o Keukenhof, o famoso parque das tulipas que só abre de março a maio, na primavera. Chegar lá é bem facinho. É só pegar um trem até o aeroporto Schiphol e lá vão ter quiosques vendendo o ingresso e transporte, o ônibus 858 te leva direto para o parque, que fica a uns 20 minutos de distância. É até melhor comprar o ingresso no aeroporto já que no parque a fila é maior.

O parque funciona das 8h as 19h, e a entrada custa 16 euros para adultos e 8 euros para crianças dos 4 aos 11 anos (até 4 a entrada é gratuita). Nós pagamos 23,50 euros no pacote com entrada do parque e transporte de ida e volta. Eu diria que umas 3 horas lá é o suficiente, mas depende de quantas fotos você quer tirar e do quão aficionado por flores você é.

IMG_5938 IMG_5940 IMG_5943 IMG_5947 IMG_5949 IMG_5953 IMG_5955 IMG_5966

(Muitosss velhinhos!)IMG_5971

IMG_5976 IMG_5980IMG_5986 IMG_5985

Pausa pro solzinho! ❤IMG_5995 IMG_5996 IMG_6000 IMG_6005

E essa modelo fofona que nos deixou babando de amores?? IMG_6010

(Explorar a amiga pra fazer book seu pode sim.)

kkh kkh2IMG_6013

Depois disso andamos um pouco mais pela cidade e desmaiamos até o dia seguinte. Afinal ninguém é de ferro, né?

Nós consideramos bastante comprar um I amsterdam Card ou Holland Pass, que são pacotes de descontos para museus, atrações e restaurantes, mas acabamos não comprando nenhum deles, já que teríamos que ver tudo com muita pressa para valer a pena o preço. Mas dependendo do tempo e interesse até é bom comprar sim.

Escolhemos ir no Rijksmuseum (se pronuncia Ráiks!) e no museu do Van Gogh. Achei os museus mega caros comparando com os outros que fomos (17,50 e 17 euros respectivamente) e não tem desconto de estudante. Confesso que não gostei muito do Rijks, que é o museu nacional. O espaço é super legal, ele é enooooorme e dividido em épocas, mas eu não me identifiquei muito com o acervo, gostei apenas de uma coisa ou outra (achei sensacional um lockerzinho com carregadores de celular!!!). Mas o do Van Gogh eu amei, e ficamos loucas com a lojinha! A capa de chuva era a coisa mais gracinha da vida, pena que faltou dinheiro.

IMG_6017  IMG_6020IMG_6021

rijks rijks2

The Night Watch com Rembrandt marotando ali no meio. (Kd Jon Snow mozão)rijks3

O famoso I Amsterdam fica em frente ao Rijksmuseum, e dá pra ter uma vista legal de dentro do museu.

rijks4

Paramos para um cheeseburger maroto e partimos pro Van Gogh. Ele tem 4 andares e conta a vida do pintor mostrando a arte de cada época da sua vida, sua rede de contatos e obras de artistas que ele mantinha contato. O museu existe graças ao sobrinho de Van Gogh, que reuniu cartas e obras e investiu em fazer com que o tio fosse reconhecido. Por isso é possível ver (e ouvir!) várias cartas que Van Gogh escreveu, principalmente para seu irmão Theo.

IMG_6022

Nhommm!

vangogh

Como ainda estava sol aproveitamos para passar no Vondelpark e voltar no Museuplein (onde fica o Rijks e o I Amsterdam) para tirar fotos.

IMG_6025 IMG_6027  IMG_6028

Sdds foco.

IMG_6029

IMG_6030IMG_6040IMG_6044IMG_6071

“Acho que essa selfie não vai dar certo miga”IMG_6067

térdan

IMG_6066

I amsterdam é sessão de fotos fail na certa, mas não deixa de ser divertido.

Esse dia de museus acabou com o meu dinheiro e por isso passei o próximo dia fazendo programas gratuitos! Meu muito obrigada ao blog do Ducs Amsterdam, que salvou o meu dia com ótimas sugestões. Meus programas foram basicamente andar por aí tirando fotos, mas me diverti!

A estação de trem lindona!

IMG_6075

Manda mais bicicleta que tá pouco!

bikes

EYE Museum ao fundo (vista da parte de trás da estação de trem).

IMG_6078 IMG_6077

IMG_6085

Indo para a biblioteca, que é um dos lugares que dá para ver Amsterdam de cima gratuitamente (além de ser muuuuito legal!!!)

IMG_6088IMG_6091 IMG_6090

IMG_6098 IMG_6100 IMG_6096IMG_6103

Bem pertinho está o NEMO.

IMG_6104 IMG_6109

Ele fica bem no porto!

“Sail, you fools!”

IMG_6112IMG_6119IMG_6118

O Waag de manhã.

IMG_6123IMG_6127 IMG_6126

Quando encontrei de novo com a Maria (ela foi no Cobra Museum!) resolvemos caminhar pelo bairro Joordan.

IMG_6147 IMG_6153

Valeu muito a pena! Vimos várias lojas legais, incluindo o Brechó Episode que ficamos loucas, uma lojinha cheia de coisas divertidas e uma sorveteria que tinha um sorvete maravilhoso e um Stroopwaffle FEITO NA HORA. Fiquei louca com aquele caramelo feito na minha frente, quentinhooooo. Eu cheguei a comer o biscoito do pacotinho, mas vou dizer que não tem comparação, o fresquinho é mil vezes melhor.

episode stroopwaffle

Quando estávamos voltando para o hostel vimos que tinham montado um parque na Praça Dam e resolvemos voltar mais tarde. A criatura Maria me convenceu/obrigou a ir nesse negócio atrás da roda gigante que ficava dando voltas e rodando de cabeça para baixo e eu quase morri de desespero e quis levar ela junto. Foi muito foda mas eu confesso que morri de medo. Depois disso resolvemos ir em alguns mais lights, como que ficava rodando la em cima e o que dava pulinhos. Infelizmente meus dedos incharam horrores de ficar segurando a barra com o vento frio batendo, e tive que deixar embaixo da água quente para eles desincharem (sério!!!).

(Viva as hashtags! Sorry por cortar o nome do amigo)

parque2 parque

Foi uma despedida com estilo!

Apesar de ter me divertido e achado a cidade linda e tal eu não amei Amsterdam. Achei as ruas apertadas e as pessoas muito aceleradas e estressadas (você com certeza vai quase ser atropelado por algum dos ciclistas). Não me identifiquei com o lugar, mas já a babi amou! Passa aqui pra ver o que ela falou de lá!

Tchau tchau 🙂

Anúncios

Euro Trip – Amsterdam

DCIM100GOPRO

Eu não tenho nem palavras pra descrever essa cidade. Ao pisarmos em Amsterdam, eu já tinha certeza. É aqui que eu quero viver. Imagine um lugar onde as coisas funcionam, onde não há hipocrisias, onde você pode ser você mesmo, e fazer o que quiser. E tire a imagem de “Disney” dos adultos da cabeça. Lá tem muito mais que isso. Tem história, tem famílias, tem crianças no parquinho, todos lidando muito bem com a característica liberal da cidade. Sem falar que é um lugar liiiindo demais. Pra mim ganhou de Florença, de Londres e até de Paris. Não há nada mais charmoso do que casinhas padronizadas e coloridas, bicicletas por toda parte e muitos canais, com barquinhos, barcos de carga, e até casas barco.

Ficamos num hotel muito bom, chamado Cordial. Bem no centro da cidade. Nossa primeira visita ao chegar, como é de se esperar, foram os famosos coffee shops. Chegamos de noite e queríamos relaxar e comer alguma coisa. A caminho encontramos sem querer a Red Light District. Famosa rua das mulheres nas vitrines. Eu até me assustei, pois elas parecem bonecas de cera e eu achei que era a vitrine do Madame Tussauds hahahaha. Até que uma das “bonecas” olhou pra mim e me chamou com o dedinho. É o tipo de coisa que não se vê todo dia. Mulheres sendo vendidas na vitrine como qualquer outro produto. Mas mesmo proibido não vai parar de existir, então é preferível que seja assim.

Fomos no Bulldog The First. O primeiro coffee shop de Amsterdam, que existia antes mesmo das drogas serem legalizadas. É muito diferente do que eu pensava, não tem pessoas loucas e drogadas subindo ma mesa e fazendo um alvoroço e sim pessoas de boa, fumando seu baseado, conversando, petiscando e curtindo uma musiquinha. Confesso que dá muita vergonha sair entrando a procura de Maconha. Nós não sabíamos se pedia no bar, ou se era em algum outro canto. Acabamos pedindo no bar e o atendente nada gentil nos disse que era no subsolo. Descemos uma escadinha e lá estava. Mais de 15 tipos diferentes da droga, com inúmeros efeitos, com seus devidos preços e quantidades. E foi assim, simples como água. Escolhemos a erva da nossa preferência num cardápio, pagamos e sentamos em uma das mesas. O grama custava por volta de 12 euros, mas variava de espécie para espécie.
104617HOAM

(foto do google)

IMG_4261

Claro que saímos de lá famintos. E o que não falta é lugar pra comer. Tem lariquinhas espalhadas por todo canto, batata frita, doces e até uma máquina de fast food. Um lugar com várias máquinas dessas que você coloca moeda, só que ao invés de salgadinhos ou guloseimas, tina croquete, hambúrguer, etc. Obviamente a comida era fresca. Atrás das máquinas tinham pessoas fritando e preparando a comida. Não comemos ali, mas era uma opção rápida e barata. Pela dica do Foursquare, chegamos no Burguer Bar. O hambúrguer de lá era apenas DIVINO. Muito molhadinho e suculento, mas era um pouco caro.
20130619-MH2A2707 DSC_2619
(fotos do site)

Depois de comer ficamos caminhando e curtindo a cidade de noite.

No dia seguinte fomos conferir a Casa da Anne Frank. O esconderijo onde ela e sua família e outras quatro pessoas judias permaneceram escondidas nos anos da ocupação nazista dos Países Baixos durante a Segunda Guerra Mundial. Pra mim foi uma experiência incrível. A história dela sempre me comove muito e é bem legal ver de perto e sentir todo sufoco que eles sentiram durante esse período lá. A entrada custou por volta de 10 euros e pra mim é um Must Go em Amsterdam. Na lojinha do museu tinham muitas versões de seu diário e biografias. Eu adorei essa daqui que era contado em forma de quadrinhos e traduzido pro português.

IMG_4270

Continuamos o passeio pela cidade. Fomos no Vondel Park, no Iamsterdam e em mais coffee shops. É claro.

IMG_4311 IMG_4312

Continuar lendo