Madrid – Espanha

Chegamos em Madrid num sábado à noite, absolutamente acabados depois de um dia de viagem. Pegamos o ônibus que sai do aeroporto e pára no centro da cidade, em Cibeles (custa 5 euros). Eu já tinha feito esse percurso antes (visitei Madrid por algumas horas em 2016 numa conexão de voo), então foi bem tranquilo encontrar o caminho.

palacio-de-cibeles

Gran Vía:

Gran, vía, metropolis, madridGran Vía

Depois de largar as malas e ajeitar a cara, fomos jantar no 100 Montaditos perto da Plaza Jacinto Benavente. Pedimos cerveja com limão, mini sanduíches de 1 euro e huevos rotos (ovos fritos com batatas)! Como podem ver na foto abaixo, ficamos bem felizes hahaha. Na verdade, bati a foto no exato segundo em que o “pager” vibrou anunciando que nosso pedido estava pronto.

montaditos, madrid

No dia seguinte começamos a maratona mochilão:

Tomamos café na rua (impossível esquecer desse lugar porque tinha um pikachurros – um churros em formato de pikachu – horroroso), e de lá fomos para a Feira do Rastro. Eu amei muito! Tinha roupas, antiguidades, bolsas, acessórios, e o bairro é lindo! Comprei um macacão colorido e uma pulseira da amizade com a Ju (bem adultas), me diverti horrores. De lá passamos no restaurante mais antigo do mundo, seguindo pra Plaza Mayor e Palácio Real de Madrid.

feira-do-rastro

IMG_7845-2

IMG_7855-2

Na vitrine do restaurante tem uma miniatura de como é lá dentro:

IMG_7859-2

Plaza Mayor

estatua, plaza, mayor, madrid

plaza, mayor, madrid

Plaza de Oriente

IMG_7896-2

Teatro Real

IMG_7888-2

Palácio Real

IMG_7891-2

palacio-real-madrid

Em Madrid existe uma opção de menu de fim de semana nos restaurantes: vem uma entrada, o prato principal e uma sobremesa. Almoçamos lá perto do palácio, mas não achei a comida nada demais.

Compramos o chip da vodafone (dava pra usar nos outros países que iríamos visitar) na Puerta del Sol e andamos até a Plaza de España.

Puertal del Sol

puerta-del-sol

Nessa praça está o marco zero de Madrid

Plaza de España

plaza, espanha, españa, madrid

IMG_7903-2

Felizes porém acabados de tanto andar:

IMG_7906

IMG_7908-2

As placas das ruas de Madrid são uma gracinha! Elas sempre têm uma ilustração combinando com o nome.

IMG_7910-2

Na manhã seguinte fomos visitar Toledo, mas vou deixar para explicar tudo num post separado.

Depois que voltamos do passeio ainda fomos visitar o Templo Debod, um monumento que foi um presente dos egípcios. Eu já não estava animada pra conhecer e, como ele estava sem água, ficou mais sem graça ainda. A Europa entra em obras em agosto, então vários lugares perdem sem seu charme habitual. Mas o lugar em si (Parque del Oeste) é bonito e tem uma vista linda. Aconselham visitar esse templo ao pôr do sol, e realmente fica show.

IMG_8050-2

O Palácio Real fica bem perto:

IMG_8048-2

Catedral de Santa Maria a Real de Almudena (em frente ao Palácio Real):

IMG_8049-2

Depois ainda fomos no El Corte Inglés!

madrid

No dia seguinte eu e Miguel alugamos uma bicicleta para ir visitar o Parque do Retiro. Valeu a pena alugar a bicicleta porque o parque é bem grande, e a bike deixa o passeio mais divertido!

bicicleta-parque-do-retiro

Deu pra dar uma volta, ver o Palácio de Cristal, a exposição do lado (nessa foto abaixo) e o lago dos barquinhos. Almoçamos uma tortilla bem mais ou menos (era barata, né) e um tinto de verano (vinho tinto com refrigerante de soda) bem gostoso.

IMG_8058-2

Monumento, parque, del, retiro, madrid

De tarde fomos em alguns bares procurar comida (a cozinha fecha em certo horário) e passamos na frente do Museu Reina Sofía e no Museu do Prado. Como os museus fecham na terça-feira, vimos só por fora mesmo.

Museu Reina Sofia

Museu do Prado

No dia seguinte saímos cedo para pegar o primeiro trem para Barcelona.

Eu ainda não aprendi a fazer post curtinho, né? hahah Até o nosso próximo destino!

Zugspitze – O topo da Alemanha

Em agosto fiz um mochilão e esse na verdade foi o último destino da viagem, mas como estou empolgadíssima para falar sobre esse lugar, vai ter post antes dos outros!

A montanha Zugspitze fica nos alpes da Bavária, e dá pra fazer um bate e volta direto de Munique. Ficamos divididos entre visitar o castelo Neuschwanstein e o topo dessa montanha, que é a mais alta da Alemanha. No fim, optamos pelo segundo.

Fiquei apaixonada pela região Garmisch-Partenkirchen, lugar por onde acessamos o Zugspitze. Minha nova viagem dos sonhos é ficar hospedada no extremo sul da Alemanha, vendo as casinhas, os lagos, visitar o Neuschwanstein e aproveitar a comida da região, que é incrível!

Confesso que estava meio preocupada com o trajeto de Munique. Vi algumas dicas na internet, mas como o novo teleférico é muito recente, fiquei na dúvida se teria alguma diferença. Acabou que foi bem fácil: Pedimos informação na estação de trem, e lá mesmo compramos o pacote combinado do trem pra Garmisch-Partenkirchen e todo o trajeto até o topo da Montanha (ida e volta). O total foi por volta de 65 euros por pessoa.

A viagem de trem durou pouco mais de uma hora. Saltamos na estação Garmisch-Partenkirchen e seguimos as indicações até outro trem. Não tem como errar, já que é muito bem sinalizado. Trocamos o nosso voucher pelos tickets do Zugspitze (foto abaixo), e de lá fomos até o alto – passando por dentro da montanha – para pegar o teleférico até o pico.

É possível saltar antes na estação Eibsee, e pegar o teleférico que sai lá de baixo. Mas, como chegamos tarde, decidimos deixar o lago Eibsee para a volta.

1

Pegamos o ticket e fomos até trem para subir o Zugspitze

Chegamos de trem cremalheira em uma parte aberta (frio!) com uma vista linda! Acho que gostei até mais do que o topo, na verdade, já que tem contato direto com a montanha.

IMG_8396

Essa parte costuma ficar coberta de neve mas, como fomos no verão, só vimos uns montinhos aqui e ali. A vantagem de ir nessa época do ano é que as chances de conseguir enxergar a vista são maiores! Por outro lado, no inverno é possível esquiar.

IMG_8407

IMG_8384-2

Uma capelinha no meio da montanha

De lá pegamos o teleférico e chegamos no topo da Alemanha!

Teleférico Zuspitze

Lá em cima tem uns 3 andares e vários caminhos dando em diferentes lados da montanha (fechados e abertos). Confesso que fiquei meio zonza com tanto sobe e desce, vai pra lá – vai pra cá. Acho que eu estava numa ansiedade de ver tudo logo que também não ajudou. Por isso minha dica é: chegue cedo e faça as coisas com calma.

Tem vários restaurantes lá em cima, então dá pra sentar e relaxar. Aliás, na parte da “varanda” do restaurante, as pessoas dão comida para os corvos, que já fazem fila!

IMG_8434

Para quem quiser ter um pouco mais de contato com a montanha, dá pra subir numa parte aberta. Eu não subi (porque além de não estar com sapato adequado não estava afim de emoção) mas o Miguel subiu, e aproveitei para tirar algumas fotos dele.

IMG_8423

Montinho de neve e a montanha atrás

IMG_8422-2

A gente passa nervoso com o mozão aventureiro mas não perde a oportunidade de tirar fotos legais hahah 😀

IMG_8445

IMG_8444-2

Eu tirei UM ZILHÃO de fotos e mesmo assim não vou conseguir mostrar tudo. Queria ter até tirado menos fotos hahaha acho que exagerei…

Como eu disse, os mirantes da montanha têm vários andares e acessos. Inclusive, um dos lados é do Tirol:

IMG_8484-2

Bem-vindos ao Tirol

IMG_8464-2

Mais fotos:

IMG_8425-2IMG_8477-2IMG_8455-2IMG_8424-2IMG_8481-2IMG_8468-2

Adorei esses posters que estavam em um dos restaurantes:

IMG_8489-2

Descemos no último teleférico (por volta das 17h e pouco) e fomos correndo ver o Eibsee. Bateu um forte arrependimento de não ter chegado mais cedo e levado toalha para nadar. Vai ter que ficar para a próxima. 🙂

Teleferico Zugspitze

IMG_8500.jpg

IMG_8521IMG_8524IMG_8526IMG_8527

Eu já desconfiava que tinhamos perdido o último trem que levava de volta para estação de Garmisch-Partenkirchen, mas quis olhar o lago mesmo assim. Acabou que realmente perdemos o trem, mas era possível pegar o ônibus com o mesmo ticket. Gott sei Dank!

Pegamos o ônibus, chegamos felizes (mentira que eu tava bem tensa) e fomos procurar um lugar pra comer. No fim valeu a pena atrasar, já que a comida do restaurante que escolhemos foi a melhor da viagem!!

Finalmente consegui provar o famoso Käsespätzel, e o prato (alguma parte do porco com Kartoffelknödel) do Miguel também estava delicioso. ❤

comida

Conseguimos voltar pra Munique e deu tudo certo! Demos muita sorte de conseguir subir a montanha em um dia de céu limpo. Havia algumas nuvens lá em cima, mas não atrapalhou muito pois com o vento elas ficavam mudando de posição toda hora.

Li por aí que a montanha Wankberg também é uma ótima opção, e tem vista para o Zugspitze! Outra que não deixa nada a desejar (essa eu fui!!) é a Kehlstein. Inclusive, já tem até post aqui no blog. 😀

Em breve teremos mais posts de viagem! Fiquem ligados. 🙂

Fim de semana em Natal – RN

O tempo passa tão rápido que eu mal pisquei e já se passaram 2 meses sem postar!

Bem, vamos tirar o atraso. 🙂 Sexta passada fui pra Natal passar o fim de semana. Como eu fui ficar no Resort Wish não priorizei os passeios, mas no sábado fiz o famoso passeio de buggy pelas praias. Eu já tinha ido nas dunas de Genipabu em 2009, mas não lembrava muito, então valeu ir de novo. Além de que o passeio em si foi diferente do que eu fiz na última vez.

Aliás,  como venta nessa cidade! O tempo variou de chuva, nublado, sol, umas quatro vezes no dia. Mas já foi o suficiente pro sol queimar!

Vamos por partes. Começando pelo resort super legal:

IMG_7831-2

Vista do quarto

IMG_7828-2IMG_7777-2

Como cheguei na hora do almoço deu pra aproveitar um pouquinho. De noite jantei no hotel mesmo, e estava tudo muito gostoso.

IMG_7703

Ali atrás é o restaurante, mas no inverno ele fecha mais cedo

Na manhã de sábado fui fazer o passeio de buggy. Custa 110 reais por pessoa, saindo 8h30 da manhã e buscando no hotel. Cheguei de volta no hotel às 15h. Tinha opção de fazer passeio de barco, ir pra Praia da Pipa, mas preferi o buggy.

IMG_7719-2

Dunas de Genipabu

Não tirei muitas fotos nas dunas e no percurso porque o buggy é bem intenso e eu estava focada em não ser arremessada pra fora do carro hahah eles fazem umas manobras bem doidas e é preciso segurar firme. Ou seja, nada de fotos.

Uma parte do trajeto é bem engraçada. Temos que sair do carro para atravessar numa barquinha. Não sei se esse é o único caminho, mas deve ser mais pela diversão mesmo hahaha.

travessia

Um das paradas é o Bar da Lagoa.

IMG_7722-2

IMG_7727-2

Bar da Lagoa (tem várias mesinhas, e até rede e pedalinho)

IMG_7729

Côco amarelo!

caju

Lixeira de caju

IMG_7734-2

Nessa parada podia fazer skibunda, mas ninguém do meu carro quis, então só aproveitei pra fotografar mesmo

IMG_7741-2

IMG_7745-2

Tirei essa foto para mostrar os grãos de areia voando com o vento

Aliás, falando em vento, durante o percurso vimos algumas casas no litoral que foram encobertas pela areia.

Lá pro final do passeio tem a tirolesa que chamam de “aerobunda”. Eu adoro uma tirolesa e não resisti hahah foi bem legal!

_DSC9548

O resultado dessa foto eu postei no meu instagram 🙂

_DSC9554

iuhuu

_DSC9585

Chegooou

 

_DSC9588-2

Voltamos num stand up paddle bem raíz

Eles tiram essas fotos lá mesmo. Influenciável que sou, comprei.

Nessa parada do aerobunda também comi um espetinho de lagostim maravilhoso e provei o suco de cajá. Que coisa maravilhosa. ❤

espetinho

A última parada é no Restaurante Alho e Oleo (se não me engano). O buffet é 50 e poucos reais, mas tem várias opções no cardápio. Eu só pedi uma porção de macaxeira porque achei tudo muito caro.

IMG_7747-2IMG_7749-2

De noite fui jantar no restaurante Camarões Potiguar. Fiquei 1 hora na fila de espera porque era sábado e férias, mas valeu a pena. Tinha muuuitas opções, e a comida estava ótima. Pedi mais suco de cajá porque fiquei viciada!

comida blog

Prato Flor de Sal

No domingo antes de ir embora o tempo abriu (depois das fotos) e deu pra me despedir de Natal com estilo!

IMG_7769

IMG_7775

Do hotel podemos ver o Morro do Careca

IMG_7675-2

Nessa foto dá para ver um pouco melhor. Tem um passeio saindo de barco do Morro do Careca para a Praia da Tartaruga, mas eu não fiz

IMG_7793

Dá para descer do hotel e caminhar na praia, mas a correnteza é forte e não recomendam mergulhar. Achei a espuminha da praia muito fofinha. Pareceu ser mais densa que a do Rio de Janeiro.

mar

 

Foi só um fim de semana, mas voltei descansada como se tivesse sido um mês. Já estou com saudade!

O post ficou do jeito que eu gosto, com várias fotos. Até logo! 🙂

The Wizarding World of Harry Potter – Beco Diagonal

No início do ano visitei o Beco Diagonal, no Wizarding World of Harry Potter em Orlando. Tirei tantas fotos no parque que achei que seria uma pena não postar aqui!

Beco-Diagonal

Dentro do Banco Gringotes tem uma montanha-russa/simulador bem radical passando pelos cofres! Vale todo o tempo de espera na fila. 🙂

O boneco da loja Gemialidades Weasley se mexe e sai um bichinho da cartola! hahah

IMG_7237

IMG_7258

Livraria Floreios e Borrões

IMG_7268

Wands by Gregorovitch

IMG_0465

Escolhendo um ratinho pra levar para Hogwarts!

IMG_7286

Achei a comida do Caldeirão Furado muito gostosa e tem opções mais saudáveis. Na foto aqui embaixo parece cerveja amanteigada, mas é só suco de maçã! hahah

IMG_0471

IMG_7281

Essa foto do dragão cuspindo fogo foi tirada no susto! Nunca sabemos quando ele vai cuspir, e faz o maior barulhão.

Eu achei o Beco Diagonal incrível! Tirei menos fotos de Hogwarts/ Hogsmead porque já conhecia.

Fiquei surpresa quando cheguei no outro parque (fomos de trem, mas achei que não vale a pena porque sai mais caro, e o passeio de trem é beeeem bobinho) e não vi a montanha -russa dos dragões! Parece que vão colocar uma outra atração. Espero que seja tão legal quanto a montanha-russa que tinha antes.

Até mais!

ATUALIZAÇÃO EM 15/10/2019: No lugar da montanha-russa dos dragões entrou a montanha russa do Hagrid!

Carolina do Sul – Estados Unidos

Ta aí um lugar que nunca achei que visitaria! hahah Fui visitar minha família e aproveitei pra tirar fotos pro blog. 🙂

A cidade que passei mais tempo foi Bluffton. Segundo a história que ouvi, a maioria dos habitantes da cidade são aposentados (tem até um condomínio para maiores de 55 anos!) que cansaram do frio das cidades do norte, e foram pro lugar onde passavam as férias: Hilton Head. Uma cidade turística com praia! Mas chegando lá descobriram que era muito caro para morar, e acabaram na cidade vizinha: Bluffton! hahah

IMG_7329

The Church of the Cross

O primeiro lugar que visitei foi a igreja The Church of the Cross. Ela foi construída pelos senhores das plantações (plantavam algodão e arroz), e durante a Guerra Civil foi abandonada. As janelas quebraram, o teto começou a ter vazamentos, e as abelhas invadiram o lugar. Quando voltaram para reformar a igreja, contrataram um profissional para tirar as abelhas, e hoje em dia vendem um “mel sagrado” (Holy Honey), produzido pelas abelhas originárias das que habitavam a igreja.

IMG_7336

“Holy Honey”

A cidade (na verdade acho que a maior parte do estado da Carolina do Sul) é cortada por muitos rios e riachos!

IMG_7339IMG_7346

A casa da foto aqui embaixo se chama Seven Oaks, e foi construída por volta de 1850.

IMG_7351

A cidade toda é completamente diferente do Rio de Janeiro. Só a diferença de população já é gritante! Segundo o Wikipedia, em 2016 Bluffton tinha 18.897 habitantes, enquanto que em 2010 o Rio de Janeiro tinha 6,32 milhões de habitantes!

Bluftton não tem prédios, e o comércio e condomínios estão basicamente na rua principal, a US-278. Outra informação curiosa é que a lei obriga a deixar uma margem de árvores antes das construções, então a rua é cercada de árvores! Ah, e Bluffton não é para pedestres. Até para ir até a esquina é preciso pegar o carro.

IMG_7358

IMG_7357

Os condomínios são enormes, e alguns tem até cavalos e golfe! hahah As casas são lindas, tudo é super cuidadinho, e até o pôr-do-sol é tão perfeito que parece um cenário de filme.

IMG_7483

Juro que editei pouquíssimo essa foto!

Como eu queria dar um pulo da Urban Outfitters, aproveitamos para visitar Charleston, uma cidade na Carolina do Sul que fica a umas 3 horas de Bluffton.

No caminho passamos pela Old Sheldon Ruins. A igreja foi construída em 1753, e queimada duas vezes. Uma pelos ingleses em 1779 na Guerra Revolucionária dos Estados Unidos, e outra em 1865, na Guerra da Secessão.

IMG_7428

IMG_7434

IMG_7442

IMG_7452

Charleston foi uma ótima surpresa! Apesar de ficarem no mesmo estado, Charleston é muito diferente de Bluffton. Como tem vários colleges pela cidade, Charleston é uma cidade com muitos jovens. A arquitetura é uma graça, a King Street tem umas lojas muito legais, e dá até pra andar a pé!! hahaha

IMG_7478

Algumas lojas da King Street: Lush, Urban Outfitters, William-Sonoma, Apple

É impossível não encontrar a Urban! hahaha Quando entramos lá e olhamos para cima, percebemos que a loja foi construída em um antigo teatro! Muito legal!

IMG_7479

Aqui vão algumas fotos de Charleston:

IMG_7465

Chegando na cidade!

IMG_7467

Charleston Yacht Club

IMG_7469

IMG_7470

IMG_7472

IMG_7473

IMG_7475

Nossa visita a Charleston foi meio corrida porque tínhamos que voltar enquanto ainda estivesse sol. De noite muitos veados atravessam as ruas correndo, e o risco de acidente aumenta. Espero voltar um dia para conhecer melhor!

Até mais! 🙂

Metas e mudanças em 2017

Em 2017 eu realizei alguns sonhos: Comecei o ano trabalhando na minha livraria preferida, e concluí estagiando em uma editora. Não uma editora qualquer, mas uma cheia de mulheres inspiradoras e que me faz querer aprender e crescer.

IMG_9455Fonte: Blog da Zahar

No ano passado também conheci o meu namorado, uma pessoa maravilhosa. Só tenho a agradecer. 🙂

edit 2

Outra grande mudança começou em 2016, e tentei aprofundar esse ano. Tenho me preocupado mais com o lixo que produzo, e com a origem do que consumo. Resolvi aprender mais sobre vida Zero Waste, e aos poucos tenho mudado pequenas coisas na rotina. Procuro usar mais minha garrafinha ao invés de copos descartáveis, comprar frutas sem embalagens, e usar sacola ecológica. Tentei mudar para o shampoo em barra, mas não me adaptei ao que comprei. Em 2017 também fiz 1 ano usando coletor menstrual, e definitivamente não volto para os absorventes descartáveis!

No início do ano assisti o documentário “The true cost”, e repensei toda a minha forma de consumir moda. Parei de comprar em lojas fast fashion que usam mão de obra análoga à escrava, e priorizei produtores independentes. Realmente é mais caro, mas junto a isso pretendo consumir menos. Essa é uma das metas para esse ano: aprender a ser minimalista.

Consumir menos carne e fazer mais exercícios físicos também são mudanças que quero para o próximo ano.

IMG_5338

Ilustre Ilustra na feira de estilistas independentes

Como nem tudo são flores, em 2017 morreu o meu hamster Ernesto, amor da minha vida. Ele me fez muita companhia em uma época difícil, e retribuí com muito amor.

IMG_6581

E ainda seguindo as mudanças:

Meu irmão casou e vai se mudar esse ano pra outro país!

IMG_1147

Tive algumas experiências novas, como desfilar na Sapucaí, ir na FLIP, apresentar pesquisa na jornada de iniciação científica. Fiz novas tatuagens, reformei meu quarto, e consegui passar em uma matéria que tirava o meu sono.

O saldo foi muito positivo, e espero que 2018 seja maravilhoso!

IMG_9774

Feliz ano novo, e tudo de bom para nós!!

 

 

Paraty – RJ

Nessa última sexta fui para Paraty conhecer a FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty), que acontece anualmente desde 2003. Foram umas 4h30 de viagem (ônibus) saindo do Rio de Janeiro, e é tranquilo chegar porque a cidade é pequena e a rodoviária fica bem perto do centro. O que atrapalha são as pedras super irregulares que acabam com o joelho (sou idosa mesmo).

Nessa festa literária ficam espalhadas pelo centro da cidade casas temáticas de editoras e artistas independentes, onde acontecem workshops, palestras, debates, e até distribuição de chopp e cerveja. Além disso também tem a mesa principal, com debates que são pagos para assistir, mas que passam num telão no meio da praça.

Como eu não conhecia a cidade ainda, acabou que turistei e não vi os debates e palestras. Até fiquei interessada em alguns, mas não tive muito tempo para ficar esperando para conseguir pegar lugar, e os mais interessantes eram em horários que eu não conseguiria assistir. Faltou planejamento? Faltou sim, mas deu pra aproveitar.

IMG_5984

IMG_5987

Restaurantes e lateral da Livraria da Travessa

IMG_5992

A FLIP tem programação infantil!

IMG_5989

IMG_5995
Os debates aconteceram dentro da Igreja
IMG_5993

Telão ao fundo

IMG_5990

Portas de Paraty ❤

IMG_6007IMG_6003

IMG_5996

O litoral:

IMG_6010IMG_6013IMG_6029

IMG_6034

Interior da Casa Folha

No sábado fui fazer um passeio de escuna pelas praias de Paraty.

IMG_6086

A primeira parada foi na Praia Vermelha.

IMG_6088IMG_6116IMG_6110IMG_6121

IMG_6171

Peixinho!

IMG_6177

IMG_6181

Praia do Amyr Klink

IMG_6197IMG_6211IMG_6224

Chegamos do passeio e fomos desesperadamente procurar um lugar pra comer. Achei Paraty meio fraco nesse sentido, acho que tem que pagar muito caro para comer bem. De resto é tudo bem ok, e mesmo assim não é barato. Mas é FLIP né, as coisas ficam mais caras mesmo.

Falando em ser mais caro, nós alugamos um Air Bnb com muita antecedência, porque tudo lota e fica caro. Mas acabou que o lugar era bem ruim, super sujo (sou alérgica pra caramba, percebo logo) e ainda teve um encontro de jovens da igreja com cantoria (alta) dentro da casa. Não vou nem falar qual foi porque não recomendo mesmo.

De noite fomos ver a roda de samba promovida pela livraria Folha Seca.

Encheu bastante e foi super animado!

IMG_6242IMG_6037

Até a próxima FLIP!